Featured

sexta-feira, 3 de março de 2017

Ano sabático



Olá, queridos leitores!

Venho aqui avisar que 2017 estarei afastada das redes sociais e do blog.
Mas é para um bom motivo!
Estarei aprimorando minha escrita e trabalhando em novos projetos, para voltar no próximo ano com muitas novidades e histórias ainda mais emocionantes para vocês.

Não fiquem desamparados neste período confiram os textos distribuídos pelo blog, pelo Wattpad e pela Amazon.

Sentirei saudades! :)


segunda-feira, 7 de novembro de 2016

SEM MAS

Você é bonita, mas está acima do peso.
Isso que você fez foi lindo, mas por que não tenta mudar...
Não tenho nada contra gays, mas eles deviam se agarrar em casa.
Não sou racista, mas que cabelo.

MAS é uma conjunção adversativa, ou seja, faz contradição a ideia da frase anterior. Sempre que um elogio vem seguido de MAS, ele perde sua função de elogio e se torna uma crítica.
Sempre que você quer parecer legal, contudo completa a fase com um MAS você apenas está demonstrando todo o seu preconceito verdadeiro.
Vamos evitar usar o MAS.
Vamos elogiar as pessoas com sinceridade. Vamos ver o que elas têm de bom, sem precisar relembrá-las de algo que achamos ruim.
Vamos assumir nossos preconceitos, só assim podemos trabalhar em mudá-los. Se você não consegue se livrar desse modo mesquinho de ver os outros, então fique quieto. Não se finja de legal, pois o MAS entrega a verdade sobre seus pensamentos.
Muitos anos eu vivi rodeada de MAS, agora decidi dar um basta. Decidi ignorar os MAS ditos e riscar os MAS de minha fala.

Por um mundo sem MAS onde todos se aceitem com são. 


quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Quando os outros são nosso espelho

Eu não tinha espelho e me achava linda.
Quem estava comigo concordava.

Um dia, alguém disse:
- Você não é perfeita. Precisa emagrecer! Mudar o cabelo! Talvez diminuir o nariz....

Então comprei um espelho
e nunca mais me achei linda.



quarta-feira, 14 de setembro de 2016

A espera

Os raios de sol atravessavam a janela e aqueciam o chão de madeira. Eu o esperava.

A luminosidade percorreu o chão e avançou pela parede. E eu ainda o esperava.

A claridade deu lugar à escuridão. Ergui-me e observei pela janela. Passos invadiam a calçada. Carros percorriam a rua. Mas não era ele.

A ansiedade da espera cresceu. Mantive-me em alerta. Será que ele voltaria?

O vento soprava, as nuvens carregadas anunciava a chegada da chuva. Era longa a espera.

Então o som familiar da sola de borracha contra as pedras da calçada fez meu peito disparar. Apoie-me na janela e observei sua silhueta se tornar cada vez mais nítida. Logo a espera teria fim.

Você avançou pelo portão apressado, pingos o haviam alcançado. Pôs a chave na porta e a felicidade explodiu em mim. A espera acabara.


Joguei-me em seus braços, lambi seu rosto e abanei com fervor a cauda. Recebi seu abraço apertado e seu sorriso. Finalmente você estava em casa outra vez.  

-----------
-----------
-----------
-----------
-----------

FOTO SPOILER

----------
----------
----------
----------
----------


terça-feira, 23 de agosto de 2016

Pessoas do passado


Ás vezes quando ouço uma música, visito um lugar, sinto o cheiro de uma receita, pego uma ferramenta para um conserto ou realizo pequenas coisas banais do cotidiano, me perco em pensamentos.

Vem a mim a lembrança de pessoas que fizeram parte de minha vida no passado. O estranho é que, nem sempre são pessoas em que tive muito contato.

Ás vez uma determinada música me lembra de um colega, que eu quase nunca conversei, mas que disse algo engraçado durante uma festa.

Ou então me vem a imagem de uma professora do primário quando ouço alguém usar determinada palavra, que essa pessoa usava.

Ou me lembro de um vizinho que nunca soube o nome, ao assistir garotos andando de Skate.

Ou de uma colega que chorava ao receber nota baixa, quando entrego trabalhos aos meus alunos.

E tantas outras pequenas lembranças que carregam pedacinhos de tantas outras pessoas que não sei o nome ou qualquer coisa importante sobre estas.

É intrigante como nossa memória funciona. Como coisas que parecem tão insignificantes voltam sem aviso. 
Pergunto-me por que guardei esse tipo de coisa, por que me lembro dessas pessoas. O que elas deixaram marcado em mim?

Um tipo de nostalgia gostosa. Uma recordação que vem com cheiro, gosto e sensações da juventude. Pessoas que se eu me esforçasse a recordar talvez não conseguisse, mas que voltam a mim de modo inesperado.

A memória é mesmo algo surpreendente carregamos conosco, em milhares de pedaços de nossos corações, mais pessoas que julguemos carregar.


Provavelmente essas pessoas nunca imaginariam que de algum modo fazem parte de minhas recordações. A curiosidade fica em saber se minha pessoa também é recordada por quem nem imagino? 

domingo, 31 de julho de 2016

Corações Ressuscitados recebeu mais uma linda resenha!


Katherine Gomes me presenteou com uma emocionante resenha. É de ficar sem palavras com tanto carinho. Perceber que Corações Ressuscitados tocou mais um coração é lindo.

"Essa é uma daquelas histórias que você imagina ser de uma mocinha que dependerá do mocinho e ele a salvará. Nesse livro há muita coisa, menos uma mocinha indefesa, pra mim é ela que salva o dia. Mostrando que sua vida nem sempre é boa, mas pode ter alguém pior que você nesse momento."

"O enredo tem de tudo um pouco, o valor da amizade, o que uma mãe faz por amor a um filho e uma filha que mesmo doente se torna forte para aplacar o sofrimento da mãe. Nos demonstra que o estar vivos é sempre bom e que a saudade de alguém que se foi não deve ser dolorosa, mas lembrada pelo que a pessoa representou em nossa vida."

Leia a resenha completa no Wattpad.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Por que escrever dicas para escritores?

Assim como uma parcela grande de escritores criar histórias sempre fez parte de mim.
Eu inventava histórias em minha mente quando andava até a escola, dentro do ônibus, ao lavar a louça, enquanto esperava em filas, antes de dormir...
Com o tempo as histórias foram se acumulando e percebi que escrevê-las em cadernos era tão prazeroso quando imaginá-las.

Escrevi sem pretensão durante a adolescência inteira, eram apenas rabiscos para meu próprio deleite. Pensei que nunca iria mostrar minhas histórias para ninguém. Mas conforme os anos iam passando, em meu coração eu já não conseguia ver outra forma se não largar meus "bebês"  no mundo.

Então comecei a engolir tudo que podia para me ajudar a tornar meus textos mais profissionais e mais agradáveis a outras pessoas. Quem escreve sabe o quanto é difícil passar nossa imaginação para uma folha de papel de modo que outras pessoas também possam imaginar sua história. Deste modo acumulei muitas dicas, conhecimento e técnicas.

Como escritora independente e leitora acompanho grupos de discussões literárias e percebo que várias dúvidas de escritores ali presentes eu já tive em algum momento. E depois de alguns anos envolvida nesse complicado mundo literário eu já acumulei algum conhecimento.

Então pensei, por que não compartilhar aquilo que já li, já passei, já vi acontecer com outros, já testei e também tantas outras questões que ainda me perseguem? Afinal escrever é uma eterna caminhada em busca do melhorar e amadurecer.

Muito eu já aprendi e posso ajudar novos escritores a também se encontrarem, mas muito ainda tenho que aprender. Por isso, penso que essas trocas podem ser interessantes para todos nós.

Espero que essas dicas para escritores sejam pontos de partida para que vocês realizem seus sonhos e todos possamos crescer como autores, trazendo para a Literatura Brasileira cada vez mais qualidade e reconhecimento.

Me acompanhem nessas descobertas.
Abraços,
Giulia Contti 



Copyright © 2015 Giulia Contti